All In + ASBRASS (Associação Brasileira de Self Storage)

1- Nos conte um pouco sobre sua trajetória, esta é a sua primeira startup?

Fui um dos primeiros empresários a comercializar e viabilizar independentemente espaços em shopping centers no Brasil atendendo inúmeras empresas de varejo neste processo, até me tornar diretor comercial e acionista da Aliansce Sonae (maior desenvolvedora de shoppings centers do país), de onde me desliguei no ano passado para criar a All In, minha primeira empreitada neste setor de startup.

 

2- Quais os benefícios desta parceria com a ASBRASS e o que você espera dela?

A ASBRASS é a primeira entidade do país voltada exclusivamente à representação das empresas de self storage desenvolvendo exponencialmente este mercado. A associação conquistou a regulamentação da atividade junto ao Governo do Estado de São Paulo em 1999 e em 2013 a criação do código específico para a atividade , junto ao IBGE, regulamentando a atividade na esfera federal, o que nos dá mais credibilidade e confiança de ambas as partes no processo de contratação e armazenamento.

 

3- Que vantagens os afiliados da ASBRASS receberão ao se cadastrarem na All In?

No primeiro ano, ele ganha um desconto no percentual de retenção da All in, indo diretamente para os 12% de comissão nas transações.

 

 

4- Qual a principal diferença deste modelo de negócio em relação às self storages já existentes?

A diferença é que na All In qualquer espaço pode ser rentabilizado. Você pode cadastrar desde um armário vazio ou galpão desocupado até uma empresa de self storage já existente e com infraestrutura completa. O espaço que sobra para você pode ajudar alguém bem próximo que precise guardar desde pequenos itens até grandes estoques. 

 

 

5- Vocês estão presentes e atendem todo o país?

Sim, atuamos em todo o Brasil, basta ter apenas o espaço disponível.

 

 

6- Como você vê este mercado e quais os planos de expansão da All In no Brasil e no mundo?

Temos no mercado brasileiro inúmeros cases de sucesso, inclusive unicórnios de empresas de marketplace. Ou seja, empresas que conectam as duas pontas, no nosso caso, quem tem espaço e quem precisa de espaço. Enxergamos uma oportunidade de crescimento consolidado e temos um plano robusto de crescimento onde em três anos pretendemos abrir uma chamada de investimento na ordem de 40 milhões de reais, já visando uma expansão internacional, depois de se consolidar no mercado brasileiro.

 

 

7- Qual solução a All In traz para o mercado e qual seu maior diferencial?

Com a pandemia do Coronavírus, pudemos identificar alguns problemas como empresas que fecharam, pessoas que precisaram se mudar para imóveis menores precisando de um local para armazenar pertences e ativos e pessoas que precisavam gerar uma renda extra com espaços ociosos. Com isso, pensamos em uma empresa inédita que une pessoas que precisam de espaço com quem tem espaços disponíveis. Somos a primeira plataforma brasileira de armazenamento inteligente, além de oferecermos inúmeras outras oportunidades para quem deseja rentabilizar ou alugar espaços para os mais diversos motivos. Nossa missão é conectar pessoas que precisam de espaço com pessoas que tenham espaço disponível.

 

8- Neste sentido, a pandemia foi determinante para a formação do negócio?

Sim, podemos afirmar que a pandemia acelerou esse processo. Os espaços que antes eram usados diariamente como os grandes escritórios estão tendo que ser revistos, a ponto de muitos espaços estarem obsoletos há um ano. Um outro ponto importante é a tendência das pessoas mudarem dos grandes centros urbanos. Toda esta movimentação tem um impacto econômico e a nossa solução pode ser uma fonte de renda e otimização.

 

 

9- Como funciona o pagamento e que porcentagem do valor total fica para a All In?

Será de 15 a 20 por cento, dependendo de alguns fatores. Os afiliados da Asbrass que fizerem seu cadastro até 30 de abril terão 20 por cento de desconto por um ano, pagarão apenas 12 por cento por cada negociação feita pela All In.

 

10- Quais as garantias oferecidas pela plataforma para o locador e locatário de espaços?

A All In oferece uma proteção de até R $3.000,00 para espaços e objetos/pertences. Para guardar veículos, sugerimos que o mesmo seja segurado.

 

 

11- Quanto de renda é possível gerar com o aluguel de espaços para armazenamento?

A renda gerada vai depender da quantidade de espaços ociosos disponíveis e também do tamanho deles. Por exemplo: um imóvel inteiro vazio, com garagem, pode gerar muito mais renda que apenas um armário desocupado em sua própria casa. Ainda assim, existem inúmeras possibilidades de ganhar dinheiro guardando itens de outras pessoas por um espaço de tempo. Alguns outros fatores como o tempo de ocupação dos espaços, valor do metro quadrado na região e infraestrutura do ambiente podem também impactar na geração de renda.

 

 

12- Por fim, qual conselho você daria para os afiliados que gostariam de investir em novas soluções de mercado de forma inovadora?

Antes de mais nada não ter medo de errar! Para se construir uma startup é necessário detectar uma dor latente no mercado, uma necessidade que solucione problemas do dia a dia de forma simples, transparente e ágil.